Bairrada - Outeiro da Ranha

Cedo começou o dia, com tudo mais do que preparado depois de tantos e inesperados dias de paragem. Mas em casa. está-se sempre bem.
Com passagem por Tomar, foi sempre a pedalar até à estação de Fátima. O porquê de esta estação de comboios se situar a mais de 20km da cidade que lhe dá nome é algo que me surpreende, assim como aos inocentes turistas que a cidade vêm visitar e saem do comboio no meio do nada!
De novo na estrada, entrámos naquele que seria o cenário para o resto do dia. Árvores, matagal, casas espaçadas, localidades distantes e estradas pacatas. Um mar verde até onde a vista alcança com os montes e os vales a fazerem as vezes das ondas. O resto do dia seria a navegar por este mar e seguir o trilho da linha de ferro passando por tudo o que é estação e apeadeiro.
Em Caxarias, parámos para comprar brincos, ir ao talho e almoçar, junto à estação. Como sempre, a curiosidade dos nativos é despertada nesta altura do dia quando começamos a montar os instrumentos de trabalho.
Almoço e chá feitos e toca a subir e descer montes como sobremesa e snack da tarde, até à Albergaria dos Doze. Ainda por lá parámos um pouco, mas não nos demorámos visto os Ferreiras estarem à nossa espera por volta das seis e meia, e os montes ainda eram mais que muitos!
Que nem uns papa montes, lá chegámos com uns minutos de sobra, a Outeiro da Ranha que segundo consta, deve o nome ao som das rãs no monte.
Já em casa dos nossos anfitriões, deparámo-nos com a família Ferreira em plena acção! Uns a arrumar, outros a limpar e todos a ajudar na cozinha. Nós com a nossa inexperiência no que toca a surfar em sofás alheios, ficámos muito quietinhos e mal cheirosos a olhar e a tentar oferecer o nosso apoio, não necessário, naquilo que foi uma verdadeira acção simbiótica familiar!
No meio do corre corre e dos nomes apresentados, apresentaram-nos um rico chuveirinho onde limpar o esforço do dia e a uma mesa cheia de paparoca boa para encher o vazio depósito.
Muita conversa e risota que se prolongaram pela noite dentro. Nós já estávamos a cair de sono mas ainda nos aguentámos até esta bonita e simpática famelga se ir deitar.
Obrigado Victor, Isalina, Adriana e Raquel por nos fazerem sentir em casa.
 

1 comentário:

Victor disse...

Obrigado pelas belas palavras!! Serão sempre mas sempre bem vindos!!!!! Felicidades!!!