Ostuni - Brindisi

O vento uivou durante toda a noite. Esperneou e gritou por tudo o que era canto e frestas da casa. Mas cansou-se com o amanhecer. Com a luz a promessa de um novo , calmo e belo dia de pedaleio, depois de tantos dias de folga.

Pequeno-almoçámos ovos e torradas. Geleias e doces misteriosos criados pela Cathy e com receitas secretas. Foi muito bom.

De novo os alforges carregados do quarto para as bicicletas. De novo os animais a rondarem-nos em busca de brincadeira. O auspicio de uma despedida fazia-se sentir. E assim foi, depois da foto de família.


Não sei o que se passa, mas depois de duas semanas num mesmo local, a viver com as mesmas pessoas, algumas raízes começam a fixar-se. Aquele bichinho de ficar em casa. Aquele mesmo que faz força para  não voltar para o frio, vento e desconhecido e ficar a boiar em águas calmas e conhecidas. É muito difícil contrariá-lo. Depois de tanto tempo a alimentá-lo com boa comida e um lugar quentinho todas as noites, é necessário a ajuda do sol e do céu azul, para o voltar a enjaular.

Foi muito difícil dizer adeus ao Keith e à Cathy e ao cantinho que eles criaram no Vale d”Itria. E mais ainda o é, conseguir explicá-lo.

Valeu-nos a fácil estrada que nos levou até Brindisi. Rectas que ligavam as cidades que separam Ostuni de Brindisi será uma forma de as descrever. Plácidas descidas, vento a refrescar o calor da Primavera que chega e oliveiras até perder de vista.

Sabiam que as oliveiras não são uma árvore? Aprendemos com o Keith, que anos após anos de corte e poda, estes arbustos são esculpidos até ganharem a forma que nos é familiar. Mas não deixam de ser bonitos arbustos.


É verdade. Hoje é o dia em que a união Italiana celebra os 150 anos. É feriado e por isso alguma incerteza sobre o que vamos encontrar em Brindisi. Festas? Panificios abertos? Será que hoje há barcos sobre o Adriático?

A Decatlhon estava fechada. Fica para a próxima o reabastecimento de algumas peças de equipamento. Juntámos umas peças de fruta e umas fatias de pão com azeite e criámos uma bucha com ares de almoço.

O plano é conseguir bilhetes para a Albânia. Mas na bilheteira explicam-nos que hoje só há um barco e por isso o preço do bilhete será elevado. Se formos amanhã, é metade do preço. Decidimos esperar pelo dia seguinte, para o comprar. Ao sair da bilheteira, reparamos num enorme mapa de Grécia que se encontra no hall de entrada. Olhamos para ele e para o troço albanês que nos espera e que também é visível no mapa. Quatro dias para pedalar até à fronteira da Grécia. Ponderamos a hipótese de saltar directamente para ali. Se não vamos passar mais do que quatro dias na Albânia, valerá o esforço/dinheiro de por lá pedalar? Ficaríamos a conhecer o sitio em quatro dias?
Talvez não. Nunca o saberemos, pois depois de passear pelas bilheteiras da cidade e fazer contas à vida, não só é mais barato viajar directamente para a Grécia, como é mais rápido.

Depois de decidido o destino e de saber que só amanhã teríamos barco, prosseguimos para a próxima tarefa diária. Encontrar sítio para pernoitar. Atrás de uns enormes celeiros sobre o porto e com vista para a baía da cidade. Pareceu-nos bem. Como ainda era cedo, fomos dar uma volta até à baixa.
O que à apenas poucas horas era uma cidade fantasma, revelava-se agora uma confusão de pessoas e tráfico que decidiram todos ir passear ao fim da tarde e depois da digestão para a marginal enquanto comiam um gelado. Todas as pessoas seguravam ora um copo ora um cone e as duas gelatarias pareciam duas colmeias em plena actividade. Nós fizemos o mesmo. Não fosse hoje o dia das despedidas, esta foi a nossa forma de celebrar os 150 anos e o nosso adeus à esta bela nação. A comer um gelado junto ao mar, num final de dia com ares de Primavera.

Voltamos para o spot escolhido onde montar a tenda. Fizemos o jantar, risotto de cogumelos, lavámos a loiça, vestimos o pijama e enfiámo-nos na nossa casa amarela e nos nossos sacos-camas azuis.

6 comentários:

Isis disse...

Eu também fui de Brindisi pra a Grécia :) Patras, mais concretamente e espero que agora falem melhor inglês do que em 2003, porque quando estive lá fui um filme para nos fazermos entender. Beijinho e boa viagem :) Estou sempre convosco :)

Anónimo disse...

Eu eu também fui de Brindisi para a Grécia com a menina Isis heheheh, ai, ai que queria tanto voltar! Façam boa viagem! beijinhos annie

Cathy disse...

So lovely to read your blog and remember those days... I tell you, the sauce is just brown :)
Take care, Cathy, Keith, Mutty, Zen and Coco. XXXXX

Su22 disse...

escrevi um texto gigante ... uma carta de amor e agora perdi-a!!

Su22 disse...

Resumindo...
Adorei voltar aqui, ler-vos assim com alma e poesia de viajantes do mundo!! Que bom que vos encontram sempre e que o caminho aparece,...é porque a viagem é verdadeira,...como o teu coração minha querida!
Adorámos o postal! Obrigada, ficámos com vontade de ir ter convosco!! Conseguem prever por onde estarão em Agosto? Andamos em pensar em Croácia, Malta...Digam lá! era tão bom se pudéssemos ir ter convosco!
Por a Primavera está a brilhar, a iluminar o jardim, a minha floresta! Os girassóis a crescer, as flores, até as crianças começaram agora a subir árvores! Como se a vida procurasse uma verticalidade comum, tocar o céu!
AH! Acabei o 2º semestre, ando em leituras para a dissertação! se encontrares algo sobre natureza, arte e educação partilha!
Mil beijos e abraços e luz para iluminar o caminho!
Sofia e Gonçalo
PS - prometemos mais assiduidade!!!

Anónimo disse...

Li os comentários dos vossos cs... soube tão bem!!!
Força nessas canetas... só faltam +- 3 semanas para nos encontrarmos!?
Beijos grandes